Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
Marinheiros decapitados / Lu

Era uma casa antiga, com estábulo, num estilo Los Angeles do tempo do Zorro. Mas era frio. Numa peça havia um quadro com o retrato de rosto, quase em tamanho natural, de 4 marinheiros, naquele naipe Jacques Cousteau, de blusa branca e casaco de lã azul, de 8 botões. Os marinheiros fizeram alguma maldade e um outro cara aparece e mata os 4 como vingança e pendura suas cabeças no lugar do quadro.
um corte / li

Estava no último andar de um edifício antigo, numa repartição pública, muitos móveis velhos e em tons de cinza e muita ferrugem pelas paredes. Eu e uma colega pedíamos papéis e documentos, os funcionários nos entregavam através de buracos pequenos das paredes de ferro. Todos documentos empoeirados e sujos. Fiquei chateada com tamanho descaso com o que era meu e senti uma sensação de tédio e tempo perdido. Eu e a colega resolvemos ir embora, descendo pelas escadas metálicas. Íamos conversando e ela tentava me fazer rir. Pessoas passavam próximas de nós e nos olhavam desconfiadas. Quando ficamos sozinhas na escadaria ela , no meio da conversa, cai desfalecida. Carrego-a e vejo um grande ferimento na sua testa por onde saía muito sangue. Já em um quarto de hospital, que ficava no meio dos arquivos do serviço público, um médico que era meu ex-namorado, enfaixava todo o corpo dela. Por uma janela eu me enxergava apanhando flores num grande pátio de concreto. Eu não sabia o que fazer com as flores e logo a colega acorda normalmente e diz ‘lisi não é só destruição’.
Praga Doméstica / Lola

As pulgas trazidas pela gata pulavam do chão para a cama e qdo acordei olhei para o meu braço e havia uma fileira de picadas,como se as pulgas fosse organizadas e picassem em fila,em seguida havia um círculo de picadas de pulgas ao lado da fileira,fiquei assustada,elas pulavam pela cama inteira.
viagem / li

viajava `a noite em um ônibus com poucos passageiros, minha poltrona ficava entre as primeiras ocupadas, perto do motorista. Era um veículo antigo e bastante espaçoso e eu sabia que a viagem seria longa.

Precisava chegar ao destino, embora não sabia exatamente qual , por isso estava muito ansiosa. Após um longo tempo, com o veículo ainda em movimento, o motorista deixa o volante sem comando e convoca os poucos passageiros para comunicar que o ônibus está com toda sua parte inferior pegando fogo, mas mesmo assim, não teríamos problemas durante o percurso. Fiquei com medo e levantei da poltrona, vestia apenas a camisa do meu pijama azul, e contestei, pois eu queria descer em algum local seguro nos próximos instantes. Os demais passageiros se mantiveram calados sem nenhuma reação quanto ao fato. Quando avistei um povoado logo adiante e me preparei para descer, percebi que além de não ter nenhuma outra roupa além da camisa do pijama que usava, estava sem calcinha, foi então que avistei toda a parte de baixo do veículo pegando fogo





Lázaro e eu. / Lola

Um grande poeta havia morrido e só se falava nisso no rádio e na tv.Houve um velório público e eu fui "prestar as últimas homenagens".Qdo estava em frente ao caixão aberto ele abriu os olhos e se levantou.Ele parecia O Grande Lebowski,com uma barba comprida e cabelos longos e desgrenhados.Qdo ele se levantou do caixão,sorrindo para mim,todos ficaram surpresos,mas eu nem tanto,e todos diziam que ele havia acordado por minha causa.Eu fiquei feliz e fui abraça-lo e as pessoas me felicitavam dizendo que qualquer outra pessoa teria ficado com medo.Abracei o poeta e ele me passou uma cantada.As pessoas me aclamavam como se eu fosse uma espécie de heroína.
sangue / li

minha mãe tinha ido ao forum para se divorciar, levou junto a nossa inquilina, enquanto eu fiquei no apartamento com a filha dela. O apartamento ficava no bairro n.sra. lourdes, em sm, era uma rua muito tranqüila e bastante arborizada. Eu não tinha o que fazer enquanto esperava minha mãe. Resolvi ficar na janela vendo o anoitecer. Dali eu ouvia muitos ruídos de pássaros, grilos e diversos animais q eu não escutava há tempos. Achei o local agradável e calmo, até dava vontade de passar uns dias ali.

Logo mais, a inquilina retorna e fala que minha mãe demoraria mais, ‘problemas judiciários’, dizia ela. Esperei sentada na sala do apartamento, e percebi que a decoração era bastante pesada, muitos leques grandes pendurados nas paredes, quadros de purpurina e plumas. O silêncio daquela noite começou a me entediar e pensei que ‘aquela noite era bastante nick drake’. Eu vestia um pijama branco com listas verticais vermelhas, muito velho, era uma “roupa de espera”. Logo entra XY , sem nada falar, apenas com expressão de tédio no rosto. Perguntei para ele como era o seu sangue, ele apenas balançou a cabeça negativamente, perguntei se eu podia ver e ele estendeu seus braços para mim. Procurei um canivete e com cuidado cortei sua pele e fui afastando seus músculos até encontrar uma veia grossa lá no fundo. Peguei a veia que estava embaixo do osso e cortei-a também, assim pude ver que no sangue que circulava tinha pedaços de palha e finas tiras de veludo. Achei estranho e comentei que ele era feito como se faziam as bonecas antigas, que minha avó brincava qdo criança. Ele não falava nada e isso me incomodava e fazia aumentar o tédio daquela noite. Quando volto a olhar para ele, com surpresa, vejo que era ele quem vestia o pijama agora. Fiquei muito confusa com o silêncio e em saber quem era eu e quem era ele e como agora ele é que usava o pijama que era meu. Logo ele explicou que “o pijama estabelecia uma relação de continuidade entre nós, quando um começava, começava o outro também e tudo isso era a mistura das coisas , do apartamento, dos leques na parede, das tiras de veludo. tudo agora tinha listas vermelhas e brancas como as do pijama, e quando tudo isso terminasse, terminaria também a nossa existência e só assim o sangue ficaria limpo”. Achei o seu tom profético demais e percebi atrás de nós uma porta aberta, era um quarto com paredes azuis, onde um homem velho e muito gordo transava com uma adolescente.



a buzina / en_drigo

encontrei jb no alto da escada, reparei que ela estava muito bonita, disse isso a ela, que então desceu até onde eu estava. eu estava com pressa, o carro tinha ficado ligado e eu não poderia ficar muito tempo ali. ela saiu comigo e, curiosamente, eu estava no pátio do prédio baggio, que ficava na conde de porto alegre, onde morava o meu amigo guilherme, na infância. era um pátio pequeno, mas cheio de carros - que não estavam ali, antes, eu tinha certeza - e eu não entendia como tantos carros poderiam passar por um portão tão pequeno, que era o da entrada (e não se tratava de uma entrada para carros, mas pessoas). eu me apressei para pegar o meu carro, mas o trânsito naquele espaço pequeno ficou tão louco que os carros passavam uns por cima dos outros.



e quando finalmente saí - sem saber ao certo como fiz - um dos automóveis estava para colidir no meu, dando buzinadas com uma buzina igual a buzina do chacrinha. mas aí era tarde, eu estava mesmo em uma bicicleta, usando rider, que escorregavam, e eu insistia em dar carona a jb, que não me dava bola.
cremes / li

Estava com muito sono, então fui ao banheiro escovar os dentes e passar creme no rosto antes de deitar. Porém o sono q sentia era algo incontrolável, pouco tinha controle do q eu precisava fazer, tudo era difícil, eu estava muito mole. Rapidamente peguei um creme qualquer e apliquei no meu rosto. Quando olhei minha imagem no espelho, percebi que minha pele estava muito bonita, fiquei fascinada com a textura, com o brilho e a sua cor, era algo que chamava a atenção. Assim, perdi todo o sono e, desesperadamente, comecei a procurar qual seria o creme que eu tinha usado, no meio de tantos.
leg / li

eu fazia cooper na beira do guaíba, junto do michel melamed, q usava uma camisa do inter e suava muito. Ele me contava tudo sobre a história do time e mostrava pessoas que eram torcedoras, que naquele momento passavam perto de nós. Corremos até chegar em uma pequena casa de madeira, onde entramos e fomos dormir, no quarto ao lado dormia a angélica, grávida novamente, e o luciano huck. Ao deitar vi que estava no quarto do meu antigo apartamento, e no meu quarto havia uma cama e um colchão no chão, onde eu estava. Achei estranha a situação e dormi abraçada com o melamed. Logo, acordei, e senti q eu estava atrasada para ir para floripa, tinha passagem aérea comprada para os próximos minutos, porém estavam na sala da minha casa a Karin e o Gonzalo. Carreguei as malas até a porta e Karin, muito séria, falou q eu não poderia me atrasar, pois meu vôo era ‘jet-leg’, mais confortável, com direito de assistir um filme antes da partida, e por isso mais caro. Mesmo sem eu saber exatamente como era um vôo ‘jet-leg’, concordei com o q dizia. Qdo entrei na sala de embarque, percebi que tinha esquecido minha bolsa, voltei até minha casa para pegá-la e qdo retornei à sala de embarque, fui barrada por uma funcionária, pois estava atrasada, e clientes ‘jet-leg’ não podem se atrasar nunca, dizia ela. Briguei muito com a funcionária responsável enquanto havia uma forte tempestade do lado de fora.
dentro do dromma / en_drigo

sonhei com algo impressionante, muito, muito louco, um sonho incrivel, tao interessante que eu nao poderia esquece-lo, porque eu deveria posta-lo no dromma, quando acordasse.