Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
carne / li

minha casa ficava no meio do campo, quase uma fazenda, só q não tinha animais nem plantação, não tinha nada mais, era só eu o campo e a casa. Era uma casa antiga e bem grande, e ali eu vivia sozinha, no meio da imensidão daquela planície. Andando pela casa, sempre me perdia ali dentro, atravessava muitas portas e era muito difícil chegar em algum cômodo. Assim eu vivia, andava sempre com uma águia no meu ombro, o tempo todo. Da varanda da casa eu avistava pequenos muros pelo campo. Eram muros antigos, assim como a casa, mas percebi que eles eram muros construídos com carne moída.
Furacão / Hannap

Sonhei que ia passar um furacão no Rio Grande do Sul. Ele ia ser mais forte no sul do estado. Eu morava em Santa Maria. Todos lá foram alertados. A gente limpou a casa em SM, só deixou uns colchões e coisas básicas de sobrevivência. Meu medo era que destroços viessem voando do sul e nos atingissem. Em Porto Alegre tinha outra casa, da minha família, só que lá a gente não mexeu em nada, ficou tudo como estava.

No sonho POA era mais ao norte do que SM, portanto o furacão ia chegar mais brando por lá.

Em SM apareceram uns amigos, Dimitre, Agus e mais duas meninas. Uma dessas meninas tinha sido minha namorada. Eu qeuria transar com minha ex namorada antes do furacão, mas o Dimitre e a Agus falaram com ela e impediram. Uma das meninas que estava na casa com a gente resolveu ir correndo para POA.

Me lembro que eu tinha encontrando com Deus e ele tinha me dado uma arma e me ensinado a manejar.

Lembro também que eu tinha que comprar um pano de 10 metros x 2 metros para estender num varal gigante que um velho gigante, professor, mandou eu comprar.
amistoso / en_drigo

o evento era um jogo de futebol, uma seleção feita só de sul-americanos contra outro time, que eu não conseguia identificar. o gol era de propriedade de um goleiro argentino, cabeludo.

era de propriedade, pois ele e outros goleiros argentinos tomavam conta da grande área, entravam e saíam do campo o momento que bem entendiam.

era curioso, pois essa gangue de goleiros argentinos - todos cabeludos, pareciam os integrantes do poison - se comportava como se o jogo não estivesse acontecendo, faziam piadas, fumavam, lutavam, exibiam-se pra torcida. fiquei irritado com esse displante platino e me perguntava porque a bola não chegava na zaga nunca.

"claro", concluí afinal, "o ataque é brasileiro..."
bowie e eu / li

estava num grande salão, com paredes de azulejos q formavam desenhos em tons de lilás e rosa. Lembrei q era ali q o david bowie tinha dirigido um filme muito bom. Tentei fazer com meu corpo a movimentação da câmera de uma das melhores cenas do filme. Fiquei ali girando e pulando e voando, logo chega o bowie e diz a mim, q meus movimentos estavam perfeitos.
Doces / Lola

Eu estava na casa da minha falecida avó.Tive vontade de comer algo doce e encontrei um pacote de bolachas champagne.Peguei uma e comecei a comer mas fiquei apreensiva pq o pacote estava escancarado e poderia haver alguma barata lá dentro.Mesmo assim eu comi e não apareceu barata alguma.Na outra prateleira havia um prato com rapaduras e ainda com o biscoito em uma mão peguei tb uma rapadura,e mais uma vez fiquei imaginando se durante a noite insetos não teriam passado por ali.Terminei a rapadura e indo até a cozinha encontrei um prato de cocadinhas,mas este não quis comer,pq era cocada branca e eu gosto das queimadinhas,e eu estavac om a boca cheia de rapaduras.
retorno / li

estava com um grupo de pessoas caminhando em um dia nublado e frio por uma rua de uma cidade alemã. Andando à nossa frente, ia XX, falando francês com todos os transeuntes . Passamos pela torre eifel e ela era muito pequena, tinha 3 metros de altura. Caminhamos mais e chegamos em uma igreja gótica, sentamos para esperar XX chegar. apesar de ser uma igreja muito antiga, eu não achei nada interessante. Tinha uma porão onde estava sendo realizado um casamento, a noiva estava vestida com um vestido verde escuro, estilo medieval. Subi por uma escadas e encontrei o Mussum dos trapalhões, começamos a transar ali mesmo, e enquanto transávamos eu pedia para os outros esperar. Saímos da igreja e já estávamos em poa, num rua próxima do campus central da ufrgs. Era noite e as ruas estavam muito escuras, com muitas crianças carregando armas de fogo. Eu não conseguia chegar em casa, encontrei minha prima em um estacionamento e ela pediu q eu esperasse. Minha prima foi para trás de um poste e pegou um barril de tinta amarela e pintou no seu corpo um grande cruz para voltaramos com segurança. Enquanto caminhávamos, eu lembrei que o alemão louquinho tinha me achado no orkut e deixado um recado dizendo que tinha saudades de mim e q queria o meu telefone.
cálculos / en_drigo

tive que pegar um trem cujos vagões tinham o tamanho de uma casa de cerca de 200 m2. cada vagão distanciava-se do outro por mais ou menos 3 km. escolhi o primeiro, aquele logo após a locomotiva, mas que estava distante, visto que na estação, onde eu me encontrava, estava parado o sétimo vagão.

caminhei até lá pelos trilhos, que não passavam de trilhas de comuns pneus de borracha.

uma vez dentro do vagão, este amplo com janelões, e em movimento, via-se uma paisagem pampeana.

e o vagão era tal um galpão, vazio, sem bancos, onde todos viajavam em pé.



ao meu lado, fumando, ia o senhor que reconstitui as capas do tony hits. fumava muito. me explicou que com o brasa do cigarro cuidava do secamento da tinta e das colas que usava nos papéis-cartões de cada lp. disse também que a duração de um cigarro é o tempo que leva para secar uma cola, quando as condições climáticas eram ideais. acrescentou que estes cálculos ele fazia desde os anos 70.



unhas vermelhas / li

estava na unisinos, próximo ao dce, onde tinha próxima do palco ,logo teria show com o black sabbath. eu estava esperando o show começar em cima do palco. Era muito alto e eu fiquei com medo de ficar ali sozinha e tbm tinha medo de descer. Percebi q não usava sapatos e as unhas dos meus pés estavam pintadas de vermelho. Os componentes da banda chegaram de moto pelo meio do público. O show começou e o público não se entusiasmou. Eu tentava esconder os meus pés para que ninguém percebesse minhas unhas vermelhas. Enquanto olhava os meus pés eu já estava em um apartamento com 3 dormitórios, sendo um o meu quarto. XY chegou ali e eu fiquei muito feliz, porém ele deitou na minha cama e começou a chorar, eu o abraçava bem forte e beijava seu rosto. Ele não parava de chorar, estava desesperado. Uma mulher abriu a porta do quarto e queria saber o pq daquele choro, fiz ela sair e qdo voltei para cama, percebi q tinha muitas camisinhas em nossa volta.
Medo / Lola

Eu estava em um apartamento,em Torres.Torres é um balneário no Rio Grande do Sul.Qdo olhei pela janela havia uma imensa parede de água do mar avançando para a costa,mas era imensa,como aquela do final do filme O Segredo do Abismo.Tive muito medo e sabia que não adiantava correr,não daria tempo,então eu me encolhi pra esperar o impacto,mas muito,muito medo mesmo.De repente eu estava na rua,correndo para dentro do continente,parecia que a onda não ia me atingir,mas eu olhava para os lados e nas praias adjacentes dava pra ver a onda chegando,com menos força,e mesmo assim eu corria muito,no meio do prado,e tinha esperança de que não fosse me alcançar.
ovelheiras / en_drigo

o que eu via era um prado, verde e vasto, provavelmente dentro de um campus universitário. andei por este prado, por uma trilha de grama pisada, indo em direção à um grupo de pessoas, nos longes. na minha direção, uma turba nervosa trazia uma ovelha pelas patas que, ao passar por mim, vi tratar-se não de uma ovelha, mas de um cão dentro de uma pele de ovelha, com patas de ovelha, e pelas bordas da trilha, onde o meu olho focava, já não havia mais grama, mas lã, lã que se estendia, bastante branca, por todo este prado, que já não era mais prado, sei lá o que era...