Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
fuzilamento / lu

Tava dirigindo, num cruzamento todo confuso, cheio de carros e motoboys e ambulantes, enfim, tava um caos.

Daí um cara me fechou, e eu xinguei ele. Só que no que eu xinguei meu carro pifou e eu tive que encostar, aí o cara que tinha me fechado e que eu tinha xingado parou e começou a vir na minha direção. De repente ele tirou uma arma da cintura, apontou pra mim e começou a descarregar as balas em mim!!

Fui sentindo meu coração parar, minha respiração foi ficando fraca, e a última coisa que ví foi o tapetinho do carro todo ensanguentado. morri. Nunca tinha morrido antes.
morangos / li

era almoço de família na tia belinha. tio joãozinho tinha preparado toda a casa para receber todos os familiares. no momento do almoço, tia belinha levanta da mesa e diz ir buscar o prato principal q era surpresa. ao colocá-lo na mesa, grande silêncio, era uma imensa bandeja e o prato principal era macarrão misturado com morangos imensos . apenas leila comia como se fosse normal comer macarrão com morangos.
pássaros / li

eu dormia na minha cama quando percebi q tinha algumas coisas embaixo das cobertas. o sono era profundo mas os movimentos vindo dali começaram a me perturbar. ainda sonolenta levantei o cobertor e muitos pássaros saíram voando pelo quarto.
Rodízio de massas / Hannap

Sonhei que estava num rodízio de massas que ficava no meu prédio. Lá estavam todos da tátil e meu franklin sentado em outra mesa. Eu tinha investido minhas fichas na Aline, mas quem ficou do meu lado foi a Paula Mello.

Eu fiquei com ela mas nem tava muito afim. Me lembro que as pessoas entravam e saiam o tempo todo e eu continuava lá dentro comendo.

Deixei a Paula de lado. Até que em determinado momento surgiu a suspeita de que o Nélson Rodrigues que morava lá estava saindo de carro da garagem. Todo mundo foi ver mas era só o Alain.
salto geográfico / en_drigo

hoje, por exemplo, eu sonhei que encontrava o mucio no largo do XV ( curitiba) e que ele ia descer a rua rio branco (que fica em santa maria), pois ia encontrar com uma amiga que estava chegando no porto de santos. acho que o porto de santos ficava na estacao ferroviaria de santa maria.
o telefone / en_drigo

o telefone não parava de tocar e eu procurava por ele em um apartamento de três peças, depois de cinco peças, até se transformar em uma casa. o telefone seguia tocando, e eu o buscava fora desta casa, até encontrá0-lo sobre uma mesinha, embaixo de uma árvore. "alô", disse eu, e do outro lado da linha vinha o som do telefone que não parava de tocar.
nagô / li

era madrugada e eu estava num terraço alto e abandonado em santa maria, na esquina da rua acampamento com a astrogildo de azevedo, tudo era ruína em volta. tinha mais dois caras q eu não conhecia junto, um estava enrolado num lençol branco e o outro com uma roupa toda xadrez, em tons de verde e marrom. de repente toca o meu celular, que tinha o visor vermelho e era o balthazar querendo saber se eu já tinha ido para a hungria. quando fui responder minha voz saiu cantada como se eu fosse soprano. ele ria muito alto e fazia as piadas de sempre pq achou q eu estava brincando e falando as merdas de sempre. fiquei atordoada em não conseguir falar normalmente e apesar do esforço, minha voz sempre saía daquele jeito. a preocupação com a voz cresceu e de repente comecei a sentir muito frio e só cantando/falando é q eu conseguia me aquecer. Um dos rapazes veio até mim e me cobriu com o seu lençol branco. quando me senti aquecida pude responder pausadamente, mesmo cantando, que eu adorava a hungria e q a hungria não existia mais, agora o país se chamava nagô.
colo / li

deram um bebê loiro para eu segurar no colo. era uma casa grande e vazia, sem nenhum móvel. segurei o bebê e percebi q ele era meu filho, mas eu não lembrava de ter ficado grávida nem quem era o pai da criança. fiquei pensando e tentando lembrar de fatos da tal gravidez, da concepção mas nada me remetia a esse episódio de gestação. logo chegou a natascha, também muito loira e branca e disse que eu tinha perdido minhas botas. procurei as botas e achei embaixo de uma janela. as botas eram muito feias, senti vergonha de saber que eram minhas e que eu as tiinha usado algum dia. fiquei cansada e me sentei no chão da casa com o bebê e as botas no colo.
largo espaço restrito / en_drigo

estive em um fundo infinito branco, mas rugoso - percebia-se áspero na superfície, pois apesar de largo o espaço, branco, infindável, a sensação era de que eu andava em um corredor estreito, eu devia andar de lado. eu só conseguia andar em linha reta, tipo a peça torre, do xadrez.
Domcumentario "revista surfing hotel" / ags

yo filmaba, miraba por la tele y estaba adentro. Los yanquis habían hecho un hotel

super top en un lugar traicional de la cultura surf de jamaica o Hawaii. Habían hecho

una catarata gigante, te podías tirar por una cabina y tb surfar (ainda não entendo como).

Tb mostraba como era el lugar tradicional, antiguo. Mostraba como había un evento

cultural muy importante, llegaban surfistas de todos lados. Algunos en barcos, otros

(bien bizarros) con trajes de neopreno y en una especie de banco de arena, medio

enterrados, como remando. El evento era de lucha de surfistas. Se daban pranchazos,

hasta matarse entre las rocas. SIn ninguna tecnica. La gente miraba desde afuera y

aplaudia. Unos niños tiraban piñas. 1 de los luchadores mató a otro con una guitarra

electrica.