Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
igreja esquerda / li

liguei a televisão para assistir o jornal nacional com a minha mãe, mudava os canais e sempre a mesma imagem, um senhor de óculos com aro pesado, vestido com uma batina marrom. Percebi que era um programa em rede, prestamos atenção ao que se dizia, e este senhor comunicava, seríssimo, que a igreja católica não seria mais uma instituição religiosa, agora mudava seus rumos, seria um movimento político de esquerda. Fiquei com medo e pensei que o mundo estava se perdendo.
CMYK / dmtr

CMYKSonho por volta de 1999:

Grande lançamento sucesso mundial, um computador (Estação de trabalho?) com monitor CMYK, onde o tubo de raios catódicos fica atrás da cabeça do usuário, é a nova sensação entre os designers.
em casa / li

dormia ao lado de XP , no meio da noite, me chamou e pediu para abraçá-lo, pois sentia frio. O abraço esquentou a mim tbm, q sentia frio mas não tinha percebido até então. Aquecidos, levantamos e descemos pelas escadas do meu prédio, eu morava no sexto andar. Fomos até uma garagem, parte de uma casa, para pegar uma carteira com dinheiro que estava no automóvel del rey de XP. Anoitecia e caminhávamos pelo largo da epatur, conversando e rindo muito. Já em casa, comuniquei S., escrevendo em lençois e expondo-os pela janela da sala (uma espécie de msn), que iríamos fazer um churrasco para comemorar, XP viria morar comigo.
A Day at the Races / en_drigo

um senhor pediu-me que apostasse em um determinado cavalo.

o mesmo chegou em último e fui ao guichê perguntar o que havia acontecido.

*ah, sim! é que este cavalo está morto, mas como ainda tem espasmos, usam-no a correr com os vivos.*

perguntei, já um pouco irritado, o porquê de usarem um cavalo morto em corridas.

*pois é. insistem nele pois, ainda assim, ganha-se dinheiro com cavalo morto.*
ainda se viajava de trem / Fabio

ainda se viajava de tremdormi vendo a capa de um livro e sonhei e o sonho era um curta-metragem onde aparecem, um de cada vez, os passageiros de um trem que voltam, depois de muito tempo, ao lugar de onde tinham saído: uma cidade do interior onde quase nada acontece. Quando o trem pára, os passageiros descem e a câmera acompanha as expressões daqueles que esperam cada um dos passageiros, na estação. Logo depois da descida dos passageiros do trem e dos cumprimentos aos que os esperam, o momento culminante: cada passageiro e cada acompanhante volta-se a si mesmo, na solidão das malas sendo carregadas, no silêncio do intervalo que marca o fim/início da jornada. Aqueles que chegam tem a sensação contraditória de quem volta, depois de muito tempo, ao lugar de onde saiu. Entre os acompanhantes, a sensação, ambígüa, dos que nunca saíram e querem, ao mesmo tempo, que aquele que voltou continue o mesmo e traga o novo.
churrasco e casamento / li

estava num churrasco, em um barracão, em santa maria. Entrei em um quarto e XY dava uma entrevista para um senhor radialista da rádio guarathan, ele pediu para eu sair e voltar depois. Fui para uma grande mesa, sentei em um banco e fiquei conversando com uma moça que se dizia muito minha amiga. Voltei ao quartto onde XY estava e ele estava confuso, não sabia o q fazer e o queria, fiquei triste. Fomos chamados para a festa, ia acontecer um casamento. O noivo, XC, entrou, elegante e bonito e ficou esperando a noiva . Alguém chega atrás de mim e rapidamente me veste com um vestido de noiva, branco, e me empurra para o altar. Nunca tinha pensado em casar assim, de noiva, mas achei bonita a iniciativa de XC. Na hora, resolvi que eu ia me apaixonar por XC.
churrasco e maconha / en_drigo

em um churrasco de uma família - não a minha - deram-me um punhado de maconha, uma seda e uma palha para fechar um baseado. fiquei constrangido de fazer aquilo na frente dos velhinhos presentes e fui para uma sala contígua.

uma vovó flagrou confeccionando o cigarro de maconha e ficou ali, parada, olhando para mim. um tio que era a cara do milton neves apareceu e fechou ele mesmo um fino, com uma palha, deixando a seda de lado e um pacote de palhas sobressalente para um uso futuro.

saiu pitando o baseado com a vovó.

eu mesmo preocupei-me em esconder o kit inteiro no banheiro, antes de voltar ao churrasco.
non-stop crashing / en_drigo

eu estava na sacada de uma casa onde os automóveis não paravam de colidir em sua esquina.
nupcias / li

Tinha acabado de me instalar em um quarto de hotel, em petrópolis. Seria algo como uma lua-de-mel, mas não sabia quem era o meu novo marido, nem ele estava lá ainda. A gerente do hotel, uma senhora muito elegante foi dar as boas vindas e oferecer camisolas sensuais para a noite nupcial. Vesti uma camisola roxa e fui ao banheiro olhar no espelho, ali tinha um vaso sanitário em proporção gigantesca, impossível de ser usado pela sua altura. Coloquei um banco para olhar ali para dentro e vi um enorme cocô, parecia uma criança de 1 ano. Imaginei de quem seria o feito, e como poderia ter saído de um orifício humano tudo aquilo. Falei para a gerente, que agora era um travesti de 70 anos, q aquilo me desagradava e certamente o sexo daquela noite seria prejudicado.
big brother / en_drigo

o meu amigo hon-chi-min apareceu na TV fazendo um papel muito engraçado e eu nunca suspeitei que ele pudesse ser bom ator, sequer um ator, visto que sempre fora um canastrão, sob qualquer aspecto e com qualquer comportamento.

abri uma porta que ficava atrás do televisor, e entrei no camarim.

me aproximei dele e o elogiei e ele, muito blasé, comentou que essa era a técnica do stravinski, que uma namorada de porto alegre, da antiga, tinha lhe ensinado e que agora ele tava pleiteando uma vaga no big brother.