Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
Duas luas / Hannap

Duas luasSonhei que estava em uma casa, com minhas irmãs, minha mãe e meu pai (eugênio). Meu pai era muito agressivo, contestava mal todo que eu falava. Peleamos mas ele era muito mais forte que eu. Tinha vontade de bater nele mas não conseguia.

Estávamos em um condomínio de férias com outras casas com outras famílias. Joguei um futebol no gramado com outros guris.



Depois fui embora fazer uma viagem de ônibus. Quando entrei no bus havia gente de todos os lugares do mundo. Eu conversei com un tipo inglês que disse que me viu jogando futebol no condomínio e que eu jogava muito bem. Eu disse que não. Na verdade eu era muito ruim no futebol e pensei que de repente nós brasileiros jogávamos realmente muito melhor do que os outros.



O ônibus fazia paradas e numa delas eu arrumei o meu quarto (era exatamente este quarto em barcelona). O ônibus buzinou avisando que iria sair. Eu tentei arrumar minha mala com minhas coisas mas percebi que tinha muita coisa e não ia conseguir arrumar tudo a tempo e acabei ficando.



Depois já era fim do ano e eu estava no ap da família da minha Tia Alice. Era um ap muito foda, no térreo de um prédio de gente rica. Eles iam viajar pra praia e eu ia ficar sozinho lá. O ap tinha dois elevadores de acesso, um para a parte íntima, quartos e tal e outro para a parte social, sala.

Dentro do elevador havia um vaso sanitário. Quando todos sairam eu fiz um cocô imenso lá e não puxei a descarga.



Eu me sentia muito bem, muito feliz. Sai para a varanda do ap e vi a coisa mais linda de todo o sonho. Entre as árvores haviam duas luas. Era o último dia do ano e o céu estava lindo. Pensei em fotografá-las com uma máquina de filme 35mm para poder comprovar autenticidade. Mas eu estava tão feliz que resolvi guardar esse momento raro sólo en minha memória.



Caminhei sorrindo até a borda da varanda onde passava um rio embaixo. Lá estavam meu tio Dé, minha prima Nonô e meu pai Jorge. Desci com eles e começamos uma brincadeira que consistia em deitar-se na água e deixar o rio nos levar.

Era uma brincadeira perigosa, cheia de pedras e obstáculos, mas era muito prazeroso. Eu fui na frente e os outros iam se segurando em mim. Íamos rápido, boiando, deslizando pelo leito do rio. O rio descia numa ladeira e entre os desníveis de altura haviam buracos, tipo tubos construidos para o escoamento da água. A gente passava por dentro deles. Lembro que existia um clipe do Sandy e Júnior que era assim tb. Os dois fazendo a mesma brincadeira.

Continuamos a travessia e ao fundo tocava uma trilha sonora. Era Hero dos Wallflowers, cantado por uma mulher.



Cada vez a travessia ficava mais difícil e chegou uma hora que tínhamos que saltar de um desnível alto, uma construção de concreto, tipo uma represa, para poder seguir o rio.



Meu pai foi na frente e chamou nós 3. O Dé e a Nonô foram e eu fiquei. Era um salto de uns 15 metros e havia pedras embaixo. Fiquei na represa olhando os 3 saltarem, com medo de ir e com medo de eles se machucarem. Ai apareceu a fada Sininho do Peter Pan e piscou o olho pra mim, comunicando que eu não havia de temer pq ela estava cuidando deles.