Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
Viagens / li

Eu viajava de avião, não sei para onde ia, mas tinha uma conexão na Coreia do Sul. Fiquei por umas horas na cidade coreana, fui passear e me deparei com uma cidade cópia de Santa Maria, mesmas ruas e construções, com apenas pequenos detalhes diferentes, como formatos das janelas. Voltei para o aeroporto e tinha que descer vários lances pela escada rolante, cada andar tinha um nome diferente. Cheguei no meu portão de embarque e vi que ia viajar com meu marido e cunhado, e minha sogra ficaria na sala de embarque, sentada. Entrei no avião e dentro era um ônibus. Meu marido tinha ficado lá dentro e deixado nossa filha sozinha para sair. Encontramos-a num banco, dormindo.
Havia uma televisão ligada e passava uma novela com a Claudia Raia jovem, estava nua gorda.
se uma raposa morre na floresta e ninguém escuta, ela está mesmo morta? / chuazinha

sonhei que comprava coletes de pele com a Tati Chalhoub em uma loja vintage. Os coletes eram lindos e macios e quentes e nós achávamos que estávamos fazendo algo OK por que afinal, era vintage. A Tati comprava dois, e eu queria comprar um de pelo de raposa. No fundo, no fundo eu sabia que não era OK, mas repetia pra mim mesma: estão mortos há tanto tempo, estão mortos há tanto tempo...
fio dental do inferno / chuazinha

sonhei que passava fio dental por baixo dos meus dentes. Os dentes estavam na minha boca seguros somente pela pressão deles mesmos, eo o fio dental passava por entre o dente e a gengiva.
GERARD GROSCHSPIELEN / dmtr

sonhei que estava andando de onibus em bage e ia trocar de onibus perto da curva da morte. Ia pegar o onibus "lajotinha" que chamava assim porque o ponto inicial era em frente a uma casa feita de ladrilhos.
peguei um cafe no primeiro onibus (havia cafe em copos descartaveis) e fui pro segundo onibus.
Na frente da casa havia uma caixa de coisas eletricas toda preta com uma textura em relevo, muito bonita e no meio tava escrito GERARD GROSCHSPIELEN.
Achei muito interessante a marca e fiquei memorizando. Parecia uma gaita.
Sonhei que acordava e ia escrever no DROMMA este sonho e lembrando muto bem da frase. Conente por lembrar de frases específicas dentro do sonho. lembrei de buscar no google a frase pra ver se havia algo com esse nome e acordei de verdade.
Firulas de côrte / li

Eu estava em uma festa de PT, em Paris, num local aberto no 6eme , próximo do rio Sena. Senti que eu era linda com meu vestido longo azul. Não conhecia ninguém, todos eram muito ricos. Um playboy se encantou comigo, me falaram que era da família Quatrocentoba Ferreira. O sujeito era chato e logo eu conheci outro homem interessante, normal, mas que o playboy brigou e mandou embora. Fiquei triste e me senti um objeto na mão do playboy. Conversei com a irmã de PT, que logo foi do outro lado do Sena buscar maquiagem. Falei que eu havia morado no bairro ao lado.
Mini vulcões / li

Estava na casa da tia NV, era noite e percebi que o vizinho do lado havia demolido parte da sua garagem, deixando a casa da tia mais exposta. No gramado da frente entrou um jovem, que começou a andar com um cortador de grama elétrico, como se fosse uma motocicleta, fazendo muito ruído. Ele parecia louco.
Tentei telefonar para polícia, mas logo vi que jornalistas haviam chegado já não da polícia. Os jornalistas falavam que fotografaram mini vulcões pelo gramado, um fenômeno estranho.
Marido em situações diversas / li

De repente eu e meu marido atravessamos um rio estreito encestávamos em Portugal, num bonito domingo de manhã. Em uma praia havia uma senhora africana, muito pobre, que em um mesa, expunha materiais humildes, que representavam coisas importantes. Ela era candidata ao Nobel. Passamos em uma igreja linda, e ao lado havia uma exposição de arte contemporânea. Uma das obras era se aproximar de um buraco de um container e ver quem se aproximava deste, mas pelo outro lado. Meu marido pediu para eu ir, e ao me aproximar, do outro lado estava meu ex-marido, com seus colegas e esposa. Surpresa sem propósito do destino, e certo embaraço.
Resolvi procurar uma filial da escolinha da minha filha, que ficava mais perto de minha casa, e no gramado da frente um grupo de jovens se encontrava. Alguns jovens, com estilo moderno, resolveram conversar embaixo de um lençol.
Meu marido apareceu usando uma camiseta com a imagem de Nossa Senhora Aparecida.
Avião desgovernado / li

Com uma amiga, Eu caminhava pela rua da casa da minha avó. De repente vi no céu um avião voando muito baixo, dando piruetas, parecendo descontrolado. Mostrei para a amiga e percebi que era um avião com a bandeira da Arabia Saudita e inscrições em chinês. Logo ele começou a cair, fez um estrondo e calculei ter caído pelas imediações da avenida Dores. A fumaça subiu no céu e senti medo. A amiga saiu correndo para ir ao local do acidente e eu voltei para casa, e achei estranho que logo as ruas começaram a ser molhadas. Corri e entrei no meu novo apartamento, na esquina da rua Venâncio Aires com a Sndre Marques, no quarto andar, e percebi que na lavanderia tinha um pôster dos Beatles e que era o único apartamento sem olho mágico e porta de grades.
indo embora / chuazinha

eu estava arrumando minhas coisas para a mudança. muitas caixas e malas, tudo bem confuso e mal arranjado. de certa forma, eu estava numa locação de algum trabalho que estava fazendo, e essa locação era na casa de um casal. esse casal tem um relacionamento aberto, eu já tinha quase me envolvido com o cara. não estava muito confortável no ambiente, embora não houvesse nenhum tipo de problema real. a locação era a minha mudança. todo mundo do trabalho tinha ido embora já e eu estava lá sozinha arrumando as coisas/minhas coisas. a mulher do casal apareceu. queria me deixar a vontade, me ajudou a organizar alguns itens, disse que eu podia fazer com calma. conversamos um pouco. sentia a presença do homem do casal por perto. não consigo lembrar se ele estava na cena mesmo. resolvi ir embora, meu desconforto aumentava. a mulher se aproximou de mim. era carinhosa. me propos que ficasse, que fizessemos um menage. eu e o casal. definitivamente agora o homem do casal estava na cena, meio a espreita. ele vestia amarelo - fato que notei porque ele nunca veste cor. recusei o menage. queria ir embora. o homem me sugeriu chamar um taxi logo então, pois ali onde eles moravam demorava para chegar condução e carro. "pelo menos mais 20 minutos". estava super tarde já, de madrugada, não queria mais ficar ali. chamei um Urbe. o carro chegou muito rápido, rápido demais, eu não estava pronta. em 3 minutos ele estava ali. comecei a correr com minhas coisas, a mulher me ajudou, empacotamos o que faltava, arrumamos em carrinhos, descemos no elevador. dentro do elevador ela me beijou. saía uma baba grossa da boca dela. senti nojo, mas não interrompi o beijo. tentei me desvencilhar beijando o pescoço dela, mas a baba escorria. questionei meu nojo, mas antes de chegar em alguma conclusão a porta do elevador abriu. organizamos uma última vez meus pertences juntas. eles finalmente encaixaram. saímos correndo do elevador, avistei o motorista do Urbe. ele estava nervoso, a corrida ia expirar. expirou antes de eu conseguir embarcar no carro e, pela lógica do aplicativo, eu teria que acionar ele novamente. me senti exausta mas pensei "está quase". pedi para a mulher a senha da internet. ela falou, não consegui entender direito, ela repetiu. minha confusão era se a palavra era "hospitalité" ou "hostilité" - em frânces, hospitalidade ou hostilidade.
Romance antigo nos EUA / li

Eu estava numa grande casa em um condomínio nos EUA. Era uma noite quente e eu encontrei T pelas ruas. Conversamos e eu me descobri apaixonada por ele. Caminhamos, conversamos muito. De repente T falou que sentia saudades de mim, e eu confirmei que também sentia. Deitamos abraçados e senti que éramos um.