Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
/ gruszka

estava na casa de N. e nós cozinhávamos para seus pais. o pai dela era um homem chatíssimo e new age, de barba branca e turbante, metido a guru, mas extremamente rico. ele demandava que fizéssemos batatas para o jantar. quando ele se retirava da cozinha, a mãe de N. aparecia e nos contava que estava apaixonada por uma amiga da filha, que não aceitava seu amor.

depois sonhei com um ritual de magia para ressuscitar pessoas recém mortas, que consistia em transar com certas raças especiais de cavalos.
Polvo Carente / Lua

Sonhei que estava em uma praia —sempre a mesma que minha cabeça criou para sediar sonhos litorâneos— o clima estava nublado e haviam algumas pessoas se banhando na parte rasa do mar, que estava agitado com a água bem mexida, quase barrosa.

Eu entrava na água e sentava em um banquinho, avistava minha irmã e falava pra ela tomar cuidado com as ondas. No mesmo momento, uma onda de tamanho médio se formava na frente dela, fazendo-a mergulhar por baixo dela. Quando a onda passou por mim, eu pude ver várias conchas e pedaços de corais boiando. Via, também, uma concha grande, cor de rosa e muito bonita. Quando a onda recuou, fazendo com que o nível de água da beira do mar baixasse, eu vi na areia muitas outras conchas do mesmo estilo. Me aproximei para pegar uma mas logo as perdi de vista.

Boiando em minha frente, apareceu um pedaço de tentáculo de polvo —com uns 20cm de diâmetro, dava pra ver que era de um polvo grande— cor de rosa, assim como as conchas. Fui até minha irmã, que estava mais pro fundo e senti outro pedaço de tentáculo batendo em meu braço. Olhamos pra trás e vimos que mais à direita havia um polvo grande e morto boiando de ponta cabeça, mas ele era acinzentado com nuances verdes e azuis.

Nos viramos para frente e fomos surpreendidas por uma onda enorme sendo formada e vi que atrás dela havia um outro polvo, mas dessa vez, estava vivo e era absurdamente grande, com mais de 10 metros. Ele tinha a mesma cor rosa linda e atrativa das conchas e também dos pedaços de tentáculos que boiavam soltos. Se não mergulhássemos por debaixo da onda, ela arrebentaria em cima de nós e, se mergulhássemos, daríamos de cara com o polvo.

Sem muito tempo para pensar no que fazer, mergulhamos, e então pude ver o grande polvo se esticando dentro da água, que estava mais cristalina. Ele tentava agarrar nossas pernas e nós nos esforçávamos para nadar pra longe dele —sem muito sucesso, porque parecia que mal nos movíamos—. Ele agarrou as pernas da minha irmã e então eu a segurei pelo braço e a puxei o máximo que pude. O polvo acabava indo cada vez mais para o raso e isso facilitou eu a soltar de uma vez.

Nós duas saímos da água e ficamos na areia observando o polvo, que parecia triste ao me olhar. Segundos depois, eu recebi uma mensagem no celular vinda de uma pessoa querida.
"O que nós somos?" aparecia no visor e eu pensava comigo mesma a resposta, mas sem enviar: "Você disse que nada.".

Voltava a olhar o polvo me sentindo sozinha.
Mão Sobrenatural / li

eu estava deitada na cama com o filho da Manene, como se estivéssemos feito sexo, sem roupas e com um cobertor lilás. de repente eu estava totalmente embaixo das cobertas e comecei a sentir algo pressionando minha virilha esquerda. Não havia ninguém e senti que era uma mão sobrenatural e não sabia o que fazer.
Janela Veneziana na lua do planeta / dmtr

Janela Veneziana na lua do planetaSonhei que estava em uma das luas de jupiter ou saturno, não sei como fui parar lá. estava hospedado em uma casinha estilo madezatti e olhava pra fora e via uma lua. fiquei pensando em fotografar pra postar no instagram depois, a lua tinha um shape diferente era como uma crescente mas as duas pontas estavam quase se tocando.
Pensei porque nao trouxe minha câmera fotografica? agora tinha que ficar bom no celular mesmo. a sombra da lua se mexia rapidamente e virava um circulo branco com dois circulos pretos dentro. eu abria a janela "veneziana" e por um segundo pensava que seria ruim de respirar fora da terra, mas a janela já era toda furada mesmo. dava pra respirar bem.
fiquei pensando em contar isso pros cientistas quando voltasse da terra, que dava pra respirar numa boa fora da terra.
Medjugorje / li

Eu estava viajando pela segunda vez,com minha prima LCV para levar tia Lenapara Medjugorje. Tia Lena tinha a aparência da Mirjana. Chegávamos num furgão, subindo uma alta montanha, de onde se avistava o mar Adriático. Paramos e descemos, minha tia/Mirjana saiu cainhando na frente, emocionado e seguiu em frente.
Surpresas / li

Estava indo na comemoração de aniversário do LA e de sua esposa SA, em Vacaria. Era noite e sentamos junto de uma mesa no pátio da casa deles. SA estava muito animada e feliz.
Percebi que na minha mão esquerda começava a aparecer uma estigma das chagas de Cristo.
/ li

Era noite e eu ia n casa da família B, amigos da época da adolescência na praia. Encontrava AB, seus pais e CBS e falava que sonhava com o falecido irmão de AB, mesmosem saber que ele havia morrido.
Pelo pátio da Casa verde / li

Eu morava numa grande casa verde de 2 andares e com um grande pátio. Recebi uns amigos, RCA junto, e resolvi convida-los pata conversarmos ao sol agradável da tarde. Eles não gostaram muito. Atravessamos o pátio e havia outro sobrado por ali, ode moravam uma família chinesa. Voltei para pegar algo e tinha que passar por escadas de madeira que pareciam pontes e uma lésbica tentava me seduzir.
Cenário exclusivo dos meus sonhos / Hannap

Mais uma vez um sonho com o mesmo cenário que só existe nos meus sonhos.
Sempre que sonho com esse lugar é muito gostoso.
Ele já apareceu umas 4 vezes.

É um lugar que se chega a partir do alto da pedra da gávea. É difícil achar, mas existe um caminho que dá acesso a um paredão vertical cheio de lâminas de pedra e reentrâncias, fácil de escalar, mas muito perigoso. Esse paredão não é muito alto. Tem uns 10 metros. Ele acaba no mar profundo. A maré sobe e vai cobrindo partes desse paredão. É gostoso jogar-se na água, mas é difícil voltar para a pedra. Tem que entender o ritmo da água e escalar uma pedra bem vertical.
Perdendo a Lara / Hannap

Sonhei que a Lara tinha ido embora.
Eu estava muito triste.
Não havia motivo. Não havíamos nem brigado.

Dias depois da Lara ter ido embora eu estava sozinho em casa e tocou a campainha uma prima dela, mais velha, bem japonesa, que morava em Londres. Ela só falava inglês e eu não a entendia muito bem.

Eu expliquei pra ela que eu e Lara não estávamos mais juntos. Ela já sabia.
Ela iria ficar uns dias em casa. Havia na sala um pedaço de colchão, quadrado, que dava pra ela dormir.

A janela da sala tinha uma vista para um campo de futebol, casas e prédios e uma pedra à direita.
O céu estava bonito. A prima japonesa achou a vista incrível. Eu nem achava tão bonito assim.

De repente havia um monte de gente lá em casa. Todos parentes da Lara.
O avô dela estava esculpindo umas madeiras e me fez um convite: - Tá desempregado? Quer me ajudar a esculpir umas madeiras?
A Lara também estava lá. Tinha vindo pegar algumas coisas dela.
Ela pegava alguma coisa e me perguntava quanto custava.
Pegou um toco de lápis e perguntou: - Quanto custa isso aqui?
Eu disse: - É quatro reais, mas pode levar de graça, isso é seu.
Ela queria comprar as coisas. Eu queria que ela voltasse pra casa.

De repente mais alguém tocou a campainha, eu fui abrir a porta. Era a minha nova namorada.
Eu esquivei o beijo na boca e dei um beijo na bochecha dela. Ela foi entrando de sapato. Eu pedi para tirar. Eu nem gostava daquela menina e fiquei muito constrangido por ela aparecer naquele momento. Foi a primeira vez que tive a sensação de perder a Lara e acordei muito triste.