Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
Filled with repression / Ranunculus

In a airport somewhere with family and what would be extended family, walking through a store, it has everything you would need to travel and souvenirs, after a short stroll with my mother by my side I find a shelf covered in sexual apparatus, dildos, anal plugs, vibrators... I’m surprised but intrigued and think why shouldnt one indulge whilst traveling, I take a discreet look around, somewhere on the other side of the store a white haired lady in her 50-60s is displaying strains of cannabis on top a solid light brown wooden stand delicately breaking apart buds with her finger tips and explaining to a fellow store member to her side something about use or quality, i park myself in between them and observe thinking that I might get a sample, my family has left the store because I always browse a bit to long, I am alone and return my gaze to the sexual apparatus, imagining how I might gratify myself, which one is for me, do I want one? I do , how do I choose... I see everything and even identify some models and one which i have owned before, a horrible rotating vibrator which is the only type that vibrates and give up after intense pondering. I sit in the corner on those traditional connected airport chairs next to a couple and some more people, the couple is very comfortable stretched out and with covers, I am excited and ponder about the nature of the couple, a foot is extended onto me and rapidly it is obvious to me it is a sexual invitation of sorts of the couple snuggled and hidden occult, I think a menage but here? Tempting but no, I see most people could probably notice and wonder why anyone hasn’t said anything yet.... out of the blue appears a old friend one who I hadnt known so well and he sais something like “ what menage! Of course ill participate” Im thrown of balance and rethink my initial stance, maybe ill do it to... my father bursts in through the store door and quickly puts an end to the vine and situation with his loud imposing voice, condemning... I snap at him and say, are you really going to be the one judge us? Somewhat threatening to expose his own dark repressed secrets that I am aware of...
jardim de festa hippie / li

Eu caminhava por ruas curvilíneas de Gramado, mas era um lugar feio, como favela de concreto, e eu procurava o antigo apartamento da minha mãe. Entrei num pátio de um condomínio estilo BNH, decadente e feio e vi MB por ali. Tentava não encontra-lo mais. Entrei numa parte bonita da cidade, com um casarão rústico de madeira, algo acontecia li, tipo uma festa hippie, em um jardim imenso, e MB por ali. eu sentei numa varanda, vi que começava a fazer frio e eu não tinha muita roupa de frio.
em hotéis / li

Estava com AP e fomos para um hotel em Porto Alegre, na Cidade Baixa, mas parecia Capáo da Canoa. Ele era meio rude e me tratava como garota de programa. Tinha nojo dele, por ser velho e ter um estilo empresário, mas eu tinha que aguentar, pq ele estava um pouco violento. No quarto que entramos, simples, avistei da janela a vista do meu antigo apartamento, e via que teria manifestação popular pelo dia 1 de maio. AP precisou sair logo e deixou o hotel pago.
Fui trocar de hotel para que ele não me encontrasse mais e encontrei o hotel que costumo ficar, mas tinha paredes de vidro, apesar de bonita decoração.
/ li

Estava caminhando pela rua Bento Gonçalves e ia embora.atravessei um atalho para pegar um táxi na outra rua, pq era noite e parecia perigoso. Ao chegar onde pensei ter táxis, o lugar era outro, um centro cheio de obras. Sente medo e voltei pelo terreno abandonado da empresa planalto. Ali encontrei o dono da empresa, usando roupas muito humildes, sapatos e furados, calça xadrez em tons amarelo surrada, e perguntei quem era ele, que escondeu quem era. Falei sobre sua empresa.
roubo / li

Haviam entrado na minha casa e roubado pertences, meu marido desesperado, foi atrás do sofá e pegou uma pasta escondida, que ele dizia que tinha muito dinheiro, e viu que foi roubado também. Tentamos encontrar quem roubou, era noite e saímos atrás de pistas. Caminhamos na avenida Medianeira, depois subimos num morro, com pequenas florestas em volta, e ali alguém achou uma blusa minha, e logo depois, no meio dafloresta, acharam uma calça minha, e foi concluído que eu havia sido violada, mas eu não lembrava de nada.
Vera / li

Estava caminhando por ruelas de Florianópolis e encontrei a filha da Vera Fischer, linda, de biquini azul, que me falou que ali havia tido um assalto, logo MV apareceu e dizia que seu ex namorado havia levado facadas e sobrevivido. Rafaela Fischer me convidou para ir na casa dela. Chegando lá, Vera era casada com o ator Diogo Vilela, e estavam cozinhando para o domingo.
Triste / li

Estava sentada na cama do meu quarto, e minha filha junto, quando ouvi entrarem no apartamento. Espiei e era a LV, usando uma blusa branca, muito pálida e tensae pedia o telefone emprestado. Ela não quis me falar o que era, mas eu deduzi que sua mãe não estava nada bem e a abracei forte, choramos juntas e minha filha veio fazer carinho em nós.
Entre misses / li

Estava na antiga casa de madeira da tia BVM, entrei no quarto das filhas dela, igual como eramá minha infância, Eu estava com um namorado de algum país nórdico, homem bem loiro e meio gordo, era um cara legal. Nos deitamos no sofá cama e ficamos em clima de muitos abraços e beijos quentes. Uma mulher com 3 filhas pequenas entrou ali também é deitou na cama do canto com as meninas. Não queríamos parar e ignoramos as crianças, mesmo que estivéssemos semi-nus. Parei, me vesti e vi que eu havia sido selecionado para um trabalho muito bom.
Logo eu estava num ginásio, no meio das candidatas a Miss Universo e eu era amiga s da Miss Zâmbia, uma negra lindíssima, mas tinha as unhas naturalmente pretas. conversávamos e ríamos, mas eu não lembrava ônibus e dela, o que a deixou triste.
Sonho da Lara / Hannap

Lara sonhou que estava numa festa.
Ela e eu.
Tinham várias comidas.
Tava a Allena.
Era um loucura.
Tava o professor dela, Jamil.
Era aniversário do Jamil.

Tinha um computador do Jamil, aberto.
Eu comecei a ver as fotos dele escalando.
Comecei a zoar ele, dizendo: aahh ele tem problema no pescoço, olha só!
Só que eu não sabia que ele estava ali perto, ouvindo os meus comentários.
A Lara ficou constrangida.

Tava rolando uma aula de ballet em algum lugar. A Lara tava meio excluída.
Tinha um torneirinha na aula de ballet. Lara foi lá encher a garrafa dela, pois estava com sede.
Dava pra descer uma trilha do horto.
Uma menina precisava de um espaço e foi descer a trilha.
As árvores eram muito compridas.

Lara estava descendo a trilha e tinha um corpo no chão, achatado.
Era um corpo muito grande, de uns 5 metros.
Só tinha a roupa e dentro da roupa tinham as chaves e a carteira.

Lara falou pra professora dela sobre o corpo. A professora ficou chocada, pois era um aluno dela de um grupo de estudos na floresta.

Depois a Lara voltou dessa viagem e encontrou os pais dela no aeroporto.
Os pais trouxeram um presente. Era um quadro com dois bebês se abraçando.
Esse quadro era referência de uma obra de um artista, que a Lara tinha descoberto nessa viagem.
Lara amou o quadro.
O Mauro tinha feito uma montagem e um dos bebês era a Lara.
Tinha um bilhete no quadro, mas a Lara não leu. Ficou com vergonha pois se ela lesse iria começar a chorar.
paredes em vidro / li

Estava em outra cidade, em uma casa nova. Fui tomar banho, mas tinha que esperar o banheiro desocupar, pois outras pessoas também o usavam. Quando chegou minha vez, entrei com toalhas na mão e de repente vi que as paredes eram de vidro, e muitas pessoas entravam para jogar handebol ali. Fiquei furiosa por meu marido não ter me avisado, pois eu já estava quase sem roupas. Algumas vezes Z era meu marido, eu não entendia muito bem.