Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
Mordi o dedo do meu pai / Hannap

Tô sonhando com o meu pai.
Estamos na praia. A maré começa a encher, molha as nossas coisas.
A administração da praia manda todo mundo sair da areia.
Meu pai fica todo perdido, fica puto e atrapalhado.
Eu fico impaciente com ele.

Caminhamos para o calçadão. Eu sugiro de irmos tomar um cafezinho no bar.
Estou eu, ele e a Amanda.
A moça vem servir o cafezinho toda tremendo e derruba tudo.
Eu pergunto: - Tá tudo bem moça? Ela diz: - Não, não tá tudo bem.
Minha colega saiu, teve um problema e eu tenho que fazer o trabalho dela.
Eu falei: - Calma, vai passar.

Eu viro pro meu pai e falo: - Pai, sabe qual é o problema?
Quando eu vou falar aparecem duas meninas jovens do meu lado e ficam querendo ouvir.
Eu olho pra elas e pergunto: - Oi meninas, vocês estão querendo ouvir a minha sabedoria?
Elas dizem que sim e eu digo: - Então vamos ali dar uma caminhada aqui na areia, vamos conversar.

Já fazia tempo que haviam mandado a gente sair da praia.
Estávamos caminhando discretamente na areia, longe do mar.
A maré ainda estava muito alta.
Meu pai diz: - Vamos mais pra lá, em direção ao mar.
Eu falo: - Pai, se liga. Tu tá com algum problema? A maré tá subindo, como é que a gente vai pra lá? A gente vai se molhar.
Ele: - Ahh mas é que eu pensei que dava.
Aí passam umas motos do pessoal da administração da praia, mandando a gente se afastar do mar.

Ai eu falo: - Viu pai. Vamos caminhar discretos aqui, na areia, perto do calçadão.
Quando estiver tranquilo a gente senta aqui, longe da água.
Tu tá com algum problema de entendimento, pai?

Aí meu pai fica com uma cara de abobado.
Aí eu mordo o dedo dele e arranco um pedaço.

Fico muito irritado com o meu pai. Ele faz tudo errado.
Amanda, todo mundo percebe que meu pai tá meio sequelado.
Só que eu fico muito chato. Fico chateado comigo, como eu sou agressivo com ele.
/ Hannap

Sonhei que eu estava com o Dé, saindo à noite em Porto Alegre, numa casa noturna.

O Dé tinha um escritório ali perto. Nós resolvemos deixar algumas coisas dentro do escritório, pra não ter que carregar.
Resolvi deixar meu cartão do banco, pra não perder.

Ele me entregou um chaveiro pra eu entrar e deixar as coisas em cima da mesa.
Só que o chaveiro era tão pesado, tão pesado.
Tinha umas 300 e poucas chaves. Eu achei aquilo muito estranho.
Eu tentei deixar aquele chaveiro lá dentro também e pegar só a chave da porta do escritório.
Mas eu não consegui separar a chave. Era tudo enredado.

Fiquei indignado. Deixei as coisas, fechei a porta, peguei o chaveiro. Olhei pro Dé e falei: - Que isso isso? Que chaveiro é esse?

Ele era tão grande que ele ficava dentro de uma sacola. Eu entreguei a sacola pra ele e falei: - Dé, tu sabe que isso aqui não tá legal né? Tem alguma coisa errada, guardar tanta chave.
Ele falou: - Tá, tá, eu sei.

Entramos na casa noturna, sentamos numa mesa e começamos a conversar.

Ele pegou na minha mão, me olhou e perguntou: - E aquela coisa que tu fez, como é que é? Tu gastou muita grana?
Ele tava falando do Vipassana.
Eu falei: - Não Dé, é de graça.

Aí eu percebi que ele tinha muita coisa pra mexer internamente. Muita coisa guardada.
E que o Vipassana seria interessante pra ele.
Mas eu mesmo fiquei com medo, porque eu imaginei tanta dor, tanto sofrimento que ele guardava.

Ficamos conversando sobre isso.
Eu falei: - Dé, tu é um cara que já fez ou faz análise. Tu vai gostar do Vipassana. É um negócio sério. Dói muito, mas tu vai mexer profundamente em várias questões.

Ele olhou pra mim e falou: - Eu não sei. Tenho medo de abrir um negócio e não conseguir controlar.
Eu falei: - Entendo esse medo, mas é tranquilo, porque lá tu tem apoio e não acontece nada de ruim.

E ficamos conversando sobre isso. Eu senti o Dé frágil. A gente falou do pai dele, meu avô.
Ele disse: - Tudo o que eu faço eu penso que eu tô fazendo pro meu pai, pra dar suporte pra ele. Suporte que ele deveria ter recebido.
Eu falei: - Poxa Dé, engraçado tu falar isso, porque o certo era tu ter recebido o suporte dele. O papel do pai é esse. Tu não tem que dar suporte pra ele. Não é o caminho natural. Não é tua responsabilidade.

Eu disse: - É muita paranóia, né Dé?
Ele falou: - Cara, tem um bicho. Quando eu chego em casa, depois de tal horário, eu percebo ele.
Eu perguntei: - Você ouve ele?
Ele disse: - Não, é um vulto.
Eu falei: - Caralho Dé! Que loucura.
Senti que ele tinha muita paranóia, muito medo.

Eu disse: - Dé, eu também sinto isso. Também tenho essas coisas. Mas fica tranquilo. Isso vai ser bom mexer.

Foi um sonho interessante e uma sensação muito legal, muito bonita, de estar junto com o Dé.
Percebi que ele tinha muitas defesas, muitas cascas, muita proteção que ele construiu ao redor dele.
Nós falamos de muita coisa.
Jipe sem freio / Hannap

Estou na festa.
Tem que subir uma escada rolante enorme.
Eu estou rodeado de mulheres.
A festa acontece. Tem várias atividades.

Tem um momento que eu estou num jipe.
Tá a Elis Vasconcelos, a Lízia Bueno e mais pessoas.
A gente tá dando carona pra um cara da festa. Tá todo mundo feliz, menos o cara.

Eu acho que eu estou ficando com a Mel Ferraz. Eu tô no banco do carona.
Tem uma mulher dirigindo. Tá a Joana Lavor também.
A gente está andando por uma cidadezinha de Portugal.

A gente deixa o cara que está meio triste na casa dele.
Ele tá chateado porque perdeu o celular. Tá brabo.
Ele fica desconfiado de mim, que eu teria roubado o celular dele.

A gente tá super feliz, a Lízia, a Joana, a Elis.
É a Elis quem está dirigindo.
A Mel Ferraz está atrás de mim, atrás do banco do carona.
Ela se estica pra frente e a gente se beija.

É uma cidadezinha portuguesa, pequena. Muito bonita!

O jipe não tem freio.
Quando ele para no plano ele fica parado, mas num lugar inclinado ele começa a andar sozinho.

A gente estaciona pro menino descer.
A Elis desce pra dar um abraço no menino e o jipe começa a andar sozinho.
Eu consigo controlar ele.

Depois a Lízia andou com o jipe e deixou ele atravessado numa rua.
Eu lembro da Mel Ferraz dizendo: - Cuidado o jipe tá andando!
A Lízia vai correndo pra controlar ele, mas não consegue evitar que ele bata numa casa.

Eu tô segurando um bebê.
A cena é linda que eu tô vendo: uma velhinha portuguesa.
Eu peço pra Lizia me alcançar o celular pra eu fazer uma foto.
Ela demora. Eu não posso me mexer porque eu estou segurando o bebê.

Ela pega uma arma, só depois pega o celular.
O jipe bate na parede de uma casa que é um armazém.
Elisa e Mohamad / Hannap

Sonhei que a Elisa e o Mohamad do Masterchef moravam num apartamento minúsculo.
A gente tinha que passar se esfregando nas pessoas porque era muito pequeno e tava muito lotado.
A Elisa era muito legal o Mohamad também. Eles gostaram de mim.
A gente tinha conhecidos em comum. O João Gurgel era nosso amigo em comum.
Eu achava a Elisa uma gata!
Ela passou cantando: - Un-break my heart. Say you’ll love me again.
Aí eu fui lavar uma louça e eles sentaram do meu lado pra gente conversar.

Algumas pessoas foram para um quarto e aliviou a quantidade de gente da sala.
Tava passando alguma coisa na televisão que todo mundo sentava pra ver junto.
Eu tava feliz que eu era amigo da Elisa e do Mohamad. Eu queria me aproximar mais da Elisa.
ter uma filha / li

Eu encontrava T e ele falava que tinha uma filha bebê. Logo ela chegou com sua mãe e Fiquei amiga da mãe da menina, conversámos muito. Eu explicava a ele como era bom ter uma filha e via que ele sentia muito amor pela menina.
Eu entrei no meu apartamento, que era um apartamento térreo, com uma pequena escada para um cômodo superior, onde tinha o quarto, mas sem paredes. Havia um violão e a decoração era meio hippie, mas toda branca. Estranhei eu ter escolhido morar ali, pensava que a combinação de apartamento térreo, coisas hippies, violão, sem paredes, não eram nada do que eu escolheria para morar.
Para chegar em casa / li

Eu estava em uma casa grande, de 2 andares, com pátio e era uma espécie de escola ou universidade que frequentava. Fui encontrar meu marido para voltarmos de carro. Por ali tinha um bazar e fiz umas compras ótimas com ótimos preços. Fui buscar meu material de estudo no segundo andar e senti um clima estranho. A porta para a escada foi fechada e diziam que um aluno surtado estava ali e melhor seria não entrar. Fui encontrar meu marido e logo começou a entrar uma multidão pelo pátio. saí e com meu marido resolvemos voltar de metro. caminhamos até a esta~
ao, mas estava fechada. Fomos para outra estaçáo e havia protestos nas ruas. Jovens violentos com pedaços de pau nas ruas nos impediam de seguir nosso caminho e não sabíamos mais para onde seguir.
Entrei em uma rua pequena, que era o final do bairro Providencia, mas me enganei e era um bairro ao lado, conhecido por ser perigoso. Era bem vazio e Havia casas e terrenos baldios e pessoas que pareciam ameaçadoras. Caminhei e cheguei em um barranco com árvores e lá avistei uma avenida conhecida e movimentada do meu bairro. Fui subir por uma das árvores que tinham cordas e era difícil, já que a subida era íngreme. Logo um senhor me falou que havia uma escada por ali, improvisada com terra, mas melhor para subir.
violento visitante / li

Eu e marido estávamos aqui no nosso apartamento, de repente bateram na porta, e achei estranho que o porteiro não havia anunciado que alguém subia. olhei no olho mágico e vi que era um homem mais velho e perguntei quem era. Ele não respondia e eu perguntei se era meu pai. Ele saiu e vi que era engano. Logo mais, ouvi que o elevador chegou e ouvi passos do corredor e , pelo olho mágico, fui ver o que acontecia no corredor. Vi o homem que anteriormente havia batido chegando com um machado e golpeando a nossa porta. Saí correndo para me esconder e gritar por ajuda, mas não conseguia ter força para gritar.
Casa Batlló / Hannap

Sonhei que eu estava buscando um quarto para alugar.
Eu estava saindo de casa para ir morar mais perto da casa de uma namorada.

Fazia frio e eu estava fumando tabaco nos últimos dias.
Saí na rua e senti minha garganta sensível, com pigarro e catarro.

Peguei um ônibus e subi a cidade em direção à montanha, longe do mar.
Era Barcelona. Chegando lá fui dar uma caminhada pelo bairro, para procurar um quarto para alugar.

Passei em frente a um prédio igual à Sagrada Família.
Era um prédio do Gaudí, chamava-se Casa Batlló.
Fiquei encantado!

Na primeira torre funcionava uma escola.
No meio era um parque de diversões abandonado.
Na segunda torre, igual à primeira, funcionava um hostel.

Entrei no terreno. Era um lugar muito abandonado, decadente, mas era bonito.
Eu estava junto com a Paola Carossella.
Eu disse: Paola, imagina só morar aqui na Casa Batlló.
Ela disse: Não! De jeito nenhum. Olha isso! É decadente. É assustador.

Nós entramos na casa para ver como era. Tinham uns gringos morando lá.
Subimos a escada em caracol.
Eu disse: Paola, o que tu achas de eu morar lá no alto da torre?
Ela disse: De jeito nenhum!

A casa era muito estranha. Tinha uma decoração de ursinhos de pelúcia pendurados na parede, com as caras pintadas com os olhos malignos. Era creepy.

Chegando no último andar havia duas mulheres agachadas, limpando o chão da casa.
Fiquei olhando para as mulheres e percebi que elas mudavam de forma.
Uma hora era uma mulher loira, depois se transformava em uma índia e depois se transformava em negra.
Todas muito sensuais, com os peitos grandes e roupas meio rasgadas.

Eu percebi que aquilo era uma bruxaria. Um feitiço para atrair as pessoas.
Neste instante a Paola comentou: Que mulheres lindas!
Eu disse: Não Paola, depois eu te explico, vamos embora.

Descemos e saímos da casa Batlló.
Eu expliquei para a Paola que aquilo era um feitiço.
Que aquelas mulheres eram bruxas, que se transformavam para seduzir.

Fomos para o pátio, num gramado onde estavam o Bem Gil e o Caetano Veloso.
O Bem estava gravando uma música com o Caetano.
No final da música o Caetano colocava o violão deitado e tocava um slide, tipo blues americano, o Bem filmava.
Coelho Albuquerque / Hannap

Sonhei que tinha nascido uma ninhada de coelhos dentro da minha casa.
Eles foram chocados e nasceram dentro de uma churrasqueira ou de uma lareira.

Um dia eu estava jogando um pouco de comida lá dentro e percebo um barulho de bichos comendo, devorando a comida. De repente saem todos os filhotes de coelho de dentro de um buraco. Sai também um galo adulto e um outro bicho, que são os pais desses coelhos.
Eles saem todos em direção ao supermercado.

Aí eu fico apaixonado por eles.
O último que sai é um coelho todo branco com uma faixa preta nos olhos, o nome dele é Albuquerque.

Aí eu vou acompanhando eles, pesquisando o que eles comem. Chego no supermercado e eles estão em canto.

Tem um PM lá dentro que fala que o galo deu uma surra no gato, entrou na casinha do gato e comeu a comida do gato.
Eu tenho que discutir com o policial porque ele estava jogando água nos bichos.
Eu seguro o policial pelo colarinho e encaro ele. Imponho a minha autoridade de responsável dos bichos. Fico surpreso porque o policial me respeita.
Eu digo que estou aprendendo a cuidar deles, que é muito novo pra mim.