Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
Repteis / li

Eu e meu marido estávamos numa cidade turística, às vezes Gramado, às vezes Canela, às vezes Capão da Canoa. Procurávamos o antigo apartamento da minha mãe. Caminhávamos pelo centro bonito, atravessávamos um túnel e logo surgiam pontes de concreto, construções pichadas, lixo por toda parte e pobreza. Não encontrava o tal apartamento e sentia medo de andarmos ali, pois já anoitecia.
De repente nos avisaram que era para outro lado e que devíamos subir um morro. Encontramos o condomínio, mas um pouco abandonado, com grama alta. O apartamento estava sujo e chamei minha diarista para limpar, especialmente pq tinha muitas cortinas verdes nas janelas.
Olhei para fora e vi pessoas que eram meio répteis, caminhavam e de vez em quando pulavam como sapo ou se arrastavam como lagartos.
Aviso de Sonho ao Prefeito / li

Eu precisava encontrar o prefeito de Porto Alegre, para falar de um sonho que tive, e que era como um recado para ele. Era um sábado à tardinha e Mandei um whatsapp para ele, que respondeu imediatamente. Pensei que ele estava desocupado ou que achava que eu estava tentando flerte com ele. Trocamos umas palavras amigáveis e nos encontramos. Falei que era parente do Nelson, que também era seu parente, e que havia sonhado que estava com seu tio em Fortaleza e ele pedia para ficarmos todos juntos, unidos. Eu e o tio pegamos um avião de Fortaleza para Porto Alegre e desembarcamos na antiga rodoviária de Santa Maria. O prefeito confirmou que tinha um tio em Fortaleza, mas que há anos não se falavam. Caminhei pelo pátio lateral da casa da minha avó, seu jardim estava bem cuidado e com lírios azuis floridos, nos canteiros.
/ SL

Voltei p Israel.
Vi x.
Ficamos no quarto dele.
Fizemos sexo sem tirar a roupa.
Os pais dele e irmãos dele não me reconheceram. Falaram cmg em hebraico.
Eu me sentia diferente, mais bonita q a outra vez.
Estávamos em um clube e meninas desfilavam. X foi sentar com seus pais e me observava de longe. Eu atuava pois sabia q estava sendo observada. Conversava com uma criança sobre as roupas que ela usava e gostava. Vinham em um livro. Ela descolava e usava. Achei insano. A menina juntou-se às colega e fiquei sozinha. Me senti mal. Fui para o meu quarto. Abri uma garrafa de rum e não consegui beber. Comi chocolate. Separei todos os vidros e garrafas que eu tinha comprado para levar comigo. Eram 3 garrafas. Incluindo a garrafa de rum. Mandei uma mensagem para ele perguntando quais seriam os seus plAnos para o fim de semana. Nos encontramos em seu quarto de novo, ele me disse que na verdade, todos haviam me reconhecido. Fiquei frustrada.
Desci do carro com Y e conversei com nossos vizinhos, falei que a filha dele estava enorme! Eles me apontaram pra bebe deles e falaram que a filha enorme eles já tinham. Me mostraram o material didático q a filha usava em inglês no cursinho. E falavam algumas frases em inglês no meio.
Patti Smith / Hannap

Patti SmithEu estava num avião, voltando do Japão.
Só que o avião era um quarto de hotel.
O avião já tinha pousado e todo mundo tinha descido, menos eu, porque eu não tinha arrumado minhas malas.
Tava tudo bagunçado no chão do quarto. Eu tinha duas malas e fui jogando tudo dentro delas de forma desordenada pra poder sair do hotel/avião.
Tinha bermuda em cima da cama, caderninhos e canetas no chão.
Enquanto eu arrumava tudo a Patti Smith entrou no meu quarto e foi no banheiro.
Eu a vi muito rapidamente, não tinha certeza de quem era, mas ela deixou uma carteira em cima do meu chinelo, que tava no chão.
Eu peguei essa carteira pra guardar na mala e vi que não era minha. Abri e vi que era da Patti Smith.

Pensei em esperar ela sair do banheiro para sairmos juntos do hotel/avião.
Foi o que aconteceu. Arrumei tudo rápido. Soquei as coisas nas duas malas e a Patti Smith saiu do banheiro.
Nesse meio tempo apareceu a Camila Moletta. Ela ia ocupar o meu quarto na viagem dela.
Ela adorou ver a Patti Smith comigo e disse pra Patti que ela estava em boa companhia. :)

Fomos andando pelo corredor, eu e Patti, e perguntei o que ela tinha vindo fazer no Rio.
Ela disse pra eu parar de fazer piada, que que eu sabia exatamente onde nós estávamos.
Mas eu não sabia, achei que tinha chegado no Rio, mas em seguida descobri que estávamos em NY.

Saímos do aeroporto por um corredor industrial onde vários funcionários fechavam tortas de chocolate, que vinham em esteiras. Eles colocavam a última camada de massa folhada sobre a torta e salpicavam chocolate em pó por cima. A Patti Smith carregava uma mochila com formato de macaco. Essa mochila era recheada de chocolate em pó do bom! Encontramos no final dessa sequência de funcionários a Marina Lutfi, que era amiga da Patti. Elas se abraçaram e a Patti deu pra ela a mochila/macaco. A Marina então fechou uma torta e apertou aquela mochila sobre a torta, dando uma cobertura extra de chocolate. Aquela torta era um presente pra Patti. A Marina subiu nas costas da Patti e abraçou ela. Eu tirei uma foto das duas com o meu celular.

Segui pelo corredor para pegar meu próximo avião, pois ainda tinha uma longa viagem até o Rio, de volta pra casa.
malas, malas / li

eu estava no apartamento do meu médico CK e deitei na sua cama para dormirmos juntos. no meio da noite nos abraçamos e um clima surgiu. Levantei para ir ao banheiro e vi outro quarto de casal, com sua esposa. Fiquei preocupada e ao vê-la se aproximar, me escondi no box do banheiro, mas ela me viu. De repente começou a me xingar e eu resolvi mentir que não sabia que ele era casado. Ela começou a ficar alterada e eu disse que iria embora e que também estava brava com ele por ele me levar para sua casa de família. Resolvi fugir e a filha deles me ajudou. No apartamento havia muitas malas, pois iam viajar, e colegas de escola. Eram pessoas muito ricas. A irmã dele me colocou no quarto do irmão e após me passou pela sala e fui me misturando aos colegas para conseguir chegar até a porta de saída sem a esposa perceber. Eu pegava minhas malas, que ali estavam e tinham documentos e coisas da minha filha. Saí e caminhei na rua para voltar, era no bairro Moinhos de Vento, agradável de caminhar, mas não conseguia me situar. De repente cheguei numa avenida que tinha o prédio da SEMA ( secretaria de Meio Ambiente), e havia muita floresta que encerrava a avenida, seguindo de apenas uma descida com escada de grama, então lembrei que era ali que ocorria muitos assaltos. Voltei e estava perdida, procurava um taxi.
li / Aranha, gafanhoto e eu

Estava no apartamento do Hotel Everest, em POA, quando vejo na porta do banheiro, uma grande aranha. Aviso ao meu marido para matá-la, enquanto oriento minha filha a ficar longe.De repente percebo que a aranha está no meu tornozelo e tiro-a com a mão, preocupada se fui picada por ela e se ela é venenosa.
Logo estou no bairro Nonoai, em Santa maria e vou com a tia N para o novo local que ela quer se mudar, um apartamento com vista para o Shopping. Entramos e as paredes do apartamento eram verdes, havia 3 quartos e a sala estreita e pequena. Ela pediu a minha opinião e eu disse que achava pequeno e que a vista não parecia tão boa. Olhei para fora e havia um parque público, com árvores e um lago, bonito local. Fazia calor e algumas pessoas tomavam banho ali, vi um casal com uma moça negra sem blusa na água. Encontrei RS e conversamos, de repente senti grande dor na palma da minha mão, percebi que parecia um espinho e puxei para retirar, e saiu de dentro um grande gafanhoto todo dobrado.
Bem-vindos / li

Eu e meu marido estávamos hospedados no apartamento da JT, junto de sua filha, marido e sogra. Era em Porto Alegre, em um antigo e grande apartamento numa rua calma e perto de tudo. Ficamos no quarto das meninas, que estava sendo decorado. JT havia pintado as paredes em tema de floresta e usado tintas 3 D que faziam os desenhos ficarem animados, quando vistos de alguns ângulos. Fomos na área de serviço, que era grande e sentia vento muito forte, parecia perigoso. Avisamos para nossa filha ter cuidado.
De repente percebi que estávamos hospedados há dias e parecia chato, e logo vieram nos pedir para sairmos. Tomamos um café num terraço bem decorado, com uma placa na mesa, escrito em azul e verde ''Bem-vindos''.
Percepções malucas / li

Meu marido e marido da minha mãe conversavam na cozinha, achei estranho e queria ir embora, pois era uma conversa forçada. Levei um par de sapatos pretos para minha filha e ela veio me mostrar que eu já tinha comprado mais 2 pares pretos, todos novos e eu fiquei confusa por não lembrar de ter feito as compras. Fui visitar a esposa do meu padrinho, entrando na sua casa percebi que ela estava pobre, sua casa era humilde, dividia com outra pessoa. Havia uma sala sem janelas e seu quarto com uma pequena janela perto do teto. Ela estava linda e me falou que teve 7 anginas e por isso estava em repouso.
na minha mente veio uma ideia, que eu era homossexual e nunca havia percebido.
anotações no exato acordado / lupino

encontro barbara marcolini no antigo am-pm de icaaráí. vou falar com ela e ela diz q o nome dela n é esse. estou sendo enganado, sempre soube q ela sentia vergonha de falar comigo na frente das amigas. me retirei. acabei derrubando alguém em uma moto. é R, fico surpreso e dou um forte longo abraço nele, q logo deixa de ficar chateado por ter sido derrubado. R ta preso faz tempo e ter encontrado ele nesse sonho me deixou feliz. me lembro de ter falado “tu é uma pessoa boa". ajudei ele a levantar a moto e me despedi. entrei no posto e encontrei amigos antigos. saí dali. estou no jardim da casa nova de rafael, tem dois pombos pretos mortos e eu sei q eles estão ha algum tempo ali (rafael nunca deixaria animais mortos no jardim). estamos falando sobre tinder e soulseek. um corvo me ataca e eu estou com uma toalha, dou sorte e ele pega na toalha. tento bater ele na parede, mas n consigo, não quero machuca-lo. estou rodando a toalha de um jeito mt forte, na minha cabeça um corvo sempre volta, estou com um pouco de medo. ele solta e não volta. se retira tonto demais pra fazer qualquer coisa. vamos gravar. fui fazer um trabalho no cemitério, transmitir ao vivo um funeral. cheguei na capela e me deparei com três corpos, dois estavam de barriga para baixo e o que estava de barriga para cima tinha uma pequena cabeça, desci a escada e encontrei Joana, era um funeral múltiplo da família dela, fomos fumar um. encontramos bruno lemgruber, q um dia foi meu chefe, com pedrinho e giulia, cada um tinha um baseado e ele n me reconheceu. eu falei q tinha trabalhado com ele, q me olhou e falou “vc é rico então” e eu respondi “eu não, vc sim” ele riu, eu não.
rojava / cauli

Eu estava num lago no meio do mar bebendo água doce
O nome do lago era de uma das irmãs mitológicas, a unica que tinha de dado mal
Do nome dela derivava nome de vagina, Pussiana algo assim
Tinha formato ou decoracao de concha
E o gosto da água era bom
Eu tava vivendo num mundo pos apocalíptico fazia um tempo
Conversei e passei por muitos perigos ate chegar ali naquele lago, seguro novamente
Voei rasante fora do aviao monomotor, pintado com as cores da África do Sul, sobre a devastada e vazia cidade de Rojava. Algo perigoso pois ainda existiam algumas luzes de tiro acendendo esporadicamente pela cidade. Mas eu confiava no dono do avião (que nao pilotava) e estava comigo do lado de fora contando suas histórias de voos perigosos sobre os postes de luz e lajes do segundo andar dos prédios azuis do bairro afastado daquela cidade
"Eu já voei sobre uma floresta de pinus que eu aluguei" dizia ele com seu bigode grosso e cabelo ralo que balançava com rajadas de vento
Eu desci do avião no bairro podre com alguém que devia ser minha da família ou clone de mim mesmo. Eu sabia que estava sozinho, mas ter alguém artificial para conviver era necessário para sobreviver naquele ambiente hostil e com tão pouca gente. Eu nem queria compania, era perigoso demais. Muito risco, eu era experiente para isso.
E no topo do morro, deitado em guarda no meio da rua estava ele. Um pastor alemão de olhos vermelhos me (nos?) fitava
Meu clone de preparava para lutar, mas eu sabia
Eu sabia que ele nos tinha como amigo
Cães eram raros e inteligentes. Mudei de ideia. Ele não tinha nome ou não me lembro agora o nome dele, mas você não sabe o quão importante ele era para mim
Mas um cachorro não precisa de nome quando é o único cão que você vê em uma década ou duas.
Ela
Pera, era fêmea
E quando teve seu filhote parece que saiu de mim
Mais uma pessoa no meu mundo de devastação e caos, quando eu começava a juntar todos os trapos e tudo parecia começar a voltar ao normal
Depois disso lembro de flashes da fonte e outras pequenas memórias e acordei