Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
vizinho de cabelo roxo / li

Era uma tarde de um sábado quente, e eu estava na casa da minha mãe. Resolvi ir para algum lugar com minha filha. Descemos pela escada e vi o vizinho de cima por ali, que segurou a porta para passarmos. Era um jovem magro, cheio de tatuagens e com o cabelo roxo.
hippies chatos / li

Anoitecia e eu estava na casa de CO, em Porto Alegre, no bairro Menino Deus, mas a rua era em Santa Maria, perto das ruas Pinheiro Machado com Prof. Braga. Acontecia uma festa que ela organizou, e mesmo chegando seus amigos hippies velhos e chatérrimos, ela era muito agradável e querida. Resolvi abstrair o povo hippie dali e aproveitava a festa sozinha. Era tarde e eu ia dormir por ali, quando fui para o pátio dos fundos e para o quarto que ficaria. Ao chegar em uma sala, vi a minha prima LCV e sua família, que não reconheci e ao cumprimentá-los, eles eram apáticos e mal falaram. Fui ao banheiro, passei pelo pátio, corria por meio de uns hippies velhos tocando violão e cantando uma música horrível como se fossem gênios, e só pensava que não queria dormir ouvindo aquela música. O banheiro ficava fora da casa, e ao sair do banheiro, vi que estava em um pátio de um condomínio de casas e não sabia mais qual era a casa de CO. Havia muitas pessoas nos seus pátios e por ali encontrei LDN, que estava com cabelos loiros e corte chanel, muito bonita, em seguida chegou ARPD e falei que estava perdida e ela falou que não conhecia a casa que eu procurava por ali.
Logo eu estava em um avião que decolava.
Maranhão / li

Era madrugada e eu entrei em um veículo, espécie de trem bala e lancha. Viajava e comecei a avistar uma paisagem sensacional pela janela. Montanhas com formatos diferentes, algumas redondas e lagos e mar pela volta. As cores eram incríveis, fortes e suaves que se combinavam. Perguntei para quem estava comigo que lugar era esse, e eles falaram que era o Maranhão. Não imaginava que o lugar pudesse ser tão lindo assim.
praia no peru / pasos en la luna

sonhei que estava em uma praia no peru. era uma praia linda, extensa, com rochas imensas e antigas no final, nessas rochas tinham desenhos de pinguins desenhados pelos povos antigos do lugar. eu estava na água com m. - o mar por vezes ficava mais agitado - caminhos com d. e t. pela beira mar, com calçada, chegamos a um condomínio de casa, tinham muitas pessoas e cachorros. em mim brotava o ciúmes entre eles - as pessoas
gestar / Isadora

Hoje foi na casa de Paula Nunes que sonhei que estava com a Nicole, que me enviou um link e fiquei elouquecida. Era de uma mulher gringa cuja filha era de outra dimensão, esses papo de índigo, cristal, citrino, sei lá. E essa filha revelou pra mãe uma técnica que podia fazer qualquer mulher gestar seres como cogumelos, roseiras, plantas gatos, misturados ao seu próprio DNA. Elas então desenvolveram um substrato que vendiam pela internet pra gente fazer isso em casa e gestar e parir suas próprias criações, dar luz a elas e depois reconhecer nossas próprias feições nas nossas criaturas.
O processo não incluía macho nenhum, era tudo independente, mas eu na minha cabeça hétera trouxa já tava escolhendo cogumelo e decidindo que quando nascesse ia falar pro Eristhal que era tudo fi dele.
Então estávamos eu, Nicole e a Aui Linha Drebinha reunidas em roda pra inocular o troço em nossos úteros e Nicole explicando todos os detalhes, que às vezes o processo poderia acelerar nossos ciclos menstruais, pois afinal a gestação de um cogumelo por exemplo era bem mais rápida que 28 dias.
Apesar de estar em casa de Paula Nunes, esta tinha acabado de fazer uma mecha loira pintada de verde em sua franja e estava saindo pa rua, desinteressada em gerar e parir qqr coisa naquele momento.
Saudad's das minhas amigas
Renata Vasconcellos, Cristo sem braço e surf no boneco / Hannap



Sonhei que eu trabalhava com duas mulheres lindas, maravilhosas!
Uma era a Renata Vasconcellos, a outra eu não lembro.

Trabalhávamos nós 3 há algum tempo mas ninguém sabia. Eu ficava nos bastidores.
Pensei em tirar uma selfie com elas para me exibir. (porque eu não tinha pensado nisso antes?)

Pegamos o elevador. Cada um desceu em um andar.
Era um prédio antigo enorme, todo de tijolos. Parecia uma antiga fábrica.

Fui até uma varanda. Estava muito feliz pois estava morando em outra cidade, outro país.
Acho que era Portugal.

Vi uma cena linda da varanda:
Alí embaixo (eu estava no primeiro andar) o gramado iluminado pelo sol.
Em frente, um castelo, também todo de tijolos terracota. Na janela do castelo dava pra ver a Shamyra trabalhando. Era um ateliê de cerâmica.
Ao lado uma montanha com a estátua de um Cristo redentor.
Era um Cristo menor e sem o braço direito.

Resolvi fazer um story pra postar no Instagram. Um movimento de câmera mostrando o gramado, depois levantando o celular e mostrando o castelo e por final girando o celular em direção à montanha e dando um zoom na estátua do Cristo sem braço.

Fiz isso! Ficou bonito! Logo em seguida eu recebo uma mensagem do Alexandre Madureira.
Ele me enviou um vídeo meu surfando em um boneco inflável. Um boneco verde, que eu montava e surfava uma onda perfeitamente. A filmagem era de dentro do mar. O vídeo era ótimo. Também fiquei com vontade de postar!
Slow Burning In a Dancing Room / Kaneda

Estava trabalhando num quarto que ficava num cortiço no centro. Eu era bem pobre e tinham bem poucas coisas mesmo no quarto, não mais que o essencial. Um banheiro, uma mesa é uma televisão de tudo no centro da sala.
Saí por uns momentos e quando voltei Oderfla da Yks estava lá sentado assistindo tv. Estranhei muito! Jamais imaginei vê-lo por ali, mas foi aí que ele disse com uma voz bem mansa:
“-Sabia que estava aqui e aproveitei pra ir ao banheiro!”
Com tom normal também o disse que não era bem vindo ali, e fui logo ver se havia feito algo de ruim no meu quarto.
Voltei para sala e disse que ele poderia ficar por lá até mais alguns momentos, até fazer o que tinha pra fazer, mas que depois ele iria e que não voltasse mais.
Oportunidade de Yoga / Hannap

Sonhei que estava na minha casa com a professora de yoga Katia Dacosta. Estávamos em uma sala grande e vazia.

Ela perguntou se podia dar um workshop naquele espaço. Eu disse que sim, claro!

Depois perguntei quanto tempo seria preciso para as aulas.
Ela disse: 10 dias!

Eu me assustei e disse que 10 dias era muito, que as pessoas que moravam comigo não iriam gostar.

Ela me olhou muito brava e disse que aquilo era uma oportunidade maravilhosa, que ninguém deveria reclamar. Praticar por 10 dias consecutivos e ainda ficar com as koruntas (cordas) que ela iria instalar nas paredes.

Acordei pensando que é uma boa idéia praticar por 10 dias consecutivos e transformar a minha casa neste espaço de yoga. Pensei que 10 dias não é muito e que de fato é uma excelente oportunidade durante esta pandemia.
tchau porco / li

Estava em uma nova cidade do interior com a SP. Chegamos em uma casa de alguma , com grande pátio e algumas casas no mesmo terreno, com jardins bem cuidados e grama verde reluzente. Entramos e logo chegou um porco, que se aproximou de mim e mostrou afeto e não queria sair do meu colo, tomei no nariz dele e tentava afasta-lo, mas ele sempre ficava junto de mim. Era incoveniente e mesmo com seu gesto 'amável' em seus olhos havia más intençoes.
Logo eu estava em um avião com minha mãe e ela dormia muito, nem viu a decolagem.
matando um velociraptor com um armário / layla

eu estava trabalhando em um set de filmagem, que acontecia num parque suspenso, daqueles que passarelas de madeira estão nas copas de arvores milenares.
o homem da camera começou a flertar comigo.
e quando fui para o camarim e olhei pela janela vi um velociraptor.
tranquei a janela e falei para a Camila para irmos para outra sala.
o velociraptor conseguiu entrar na outra sala e nesse momento eu empurrei um guarda-roupas encima dele, e então o velociraptor ficou com metade do seu corpo embaixo do móvel.