Drömma

aisling . dream . rêve . sogno . sonho . sueño . traum . śnić
Drömma Dreaming Logger — Coleção de Sonhos — Sonhário
Lavar os cabelos / li

Era dia e Eu estava num quarto com cama de casal e uma poltrona. Havia um homem velho e com longas barbas sentado na poltrona. Conversamos e eu tinha que cuida-lo, pois tínhamos uma relação próxima que eu não conseguia identificar se ele era um pai, tio ou marido. Alguém entrou no quarto expediu para eu lavar seus cabelos, colocando uma toalha vermelha na cabeça dele. Eu disse que se os cabelos fossem longos como a barba, iria demorar muito para secar.
De repente eu percebi que esse senhor era o Santo Padre Pio.
Neymar joga serio / dmtr

Sonhei que o Neymar usava uma peruca tipo Pabllo Vittar e era carequinha. o povo brasileiro fazia um apelo direto a ele que era: Não precisa jogar bem, basta você jogar sério.
acidente / tici

sonhei que eu tava fazendo uma viagem de carro quem dirigia era meu ex joao. uma estrada muito estranha de barro, pareciamos estar subindo uma serra. eu deixava ele pra tras no caminho uma hora. continuando a estrada eu ia parar em um apartamento com uma vibe estranha, eu tava la meio que de intrusa. um velho "simpatico" abria a porta pra eu sair mas fazia uma careta muito feia pra mim antes de fechar a porta. depois andando na rua em um suburbio, ruas largas muitos carros.. eu tinha um amiguinho pirralho magrelo moreninho, ele me guiava por ali. vimos um fusca acidentado com um pai uma mãe amassados quase juntos bem gore e um bebe. do outro lado da rua uma loja chamada meu corpinho.
doces no parque aquatico / tici

estava em um parque ou algo do tipo, tinha pessoas comigo. ia em uma loja e comprava um prato gigante retangular que vinha com varios docinhos de varios formatos, tamanhos e texturas diferentes. uns tinham desenhos tipo cogumelinhos ou florzinhas. eu comia todos com muito gosto, tava muito bom. depois descia varias vezes em um tobogã pra dentro da agua. as vezes eu descia no tobogã mas eu nao estava encostando, me via flutuando por cima dele. nele depois eu tava andando na praia e queria pular de um lado pro outro da areia, mas caí num buraco que passava uma correnteza muito forte, um cara caiu também e foi levado, consegui me segurar e fiquei bem parada e concentrada para não ser levada também. alguem me salvou, acho que foi minha mãe.
encontro especifico / tici

encontro especificoeu pegava um trem. umas pessoas bem antigas com vestes coloniais estavam na estaçao do trem que na verdade parecia uma sala. um casal sentado no sofá, o cara parecia estar meio mal, com gorfo escorrendo da boca. um outro senhor mais simples cuidava do trem. ia pra um lugar bem cheio de arvores, parecia uma praça, uma parte central de gramado, em volta pequenos espacos com mesas grandes e bancos compridos, tudo feito de pedra. tinha uma galerinha reunida na mesa, nao lembro sobre o que falavamos, mas tinhamos que cada um tomar um copinho de metade agua com metade de uma mistura bem escura que parecia coca cola. vampirao, ju thire e aquela amiga da barbara que eu nem conheço. eu voltava correndo pra void antes de fechar.

Esconder embaixo da cama / li

Estava numa casa grande, quando me falaram que a casa estava sendo a nvadida por bandidos. Encontrei LCD e tentávamos nos últimos acender. Fiquei sabendo que os bandidos não encontravam pessoas se nos enrolássemos numa coberta e ficássemos embaixo da cama. Eu tentava fazer isso, mas embaixo da cama ficava apertado.
Casamento pelo Padre Pio de Pietrelcina / li

Era noite e eu estava sentada no coreto da praça com outras pessoas. De repente senti algo ao eu lado, e eu já estava dormindo na minha cama e percebi que tinha uma ratazana enorme no meu pescoço, gritei pela minha mãe.
Caminhava por uma grande casa, com alguns amigos. Minha irmã CSB me falou que sua amiga de infância, AG havia se separado do marido e vivia com sua avó. Logo, caminhávamos pela rua, já era noite, e meu marido falou para casarmos na igreja, dizendo que pegando dois táxis, cada um com 5 pessoas, chegaríamos no localcerto. E logo nos deparamos com uma capela aberta e perguntamos se poderíamos casar, e o padre confirmou. Eu usava um antigo vestido vermelho e fiquei preocupada que não teria tempo para trocar de roupa. Logo achei no altar um grande corte de tule branco e comecei a improvisa-lo para fazer um véu, usando a tiara branca de princesa da minha filha, e logo a tiara de bailarina que foi da minha sobrinha. Estava preocupada com meubvestido vermelho, pouso padre, que estavavla dentro, era enérgico e dizia q casamento só de branco. Achei uma toalha de mesa branca e fiz um vestido improvisado. O padre, que era o santo Padre Pio de Pietrelcina, foi ao altar e eu não sabia se fazia a entrada de noiva ou se já ficávamos pelo altar, já que eram poucas pessoas.
Bares / li

Estava num bar e encontrava LDN e seu marido e filha. Seu marido havia mudado fisicamente e quase não o reconheci. Ela estava fumando e estranhei, além de muito apressados, e logo o bar se transformou em uma estação de trem e eles voltariam à Portugal e eu abraçava muito a filha deles.
Sai dali e anoitecia. Caminhei para casa e era as imediações da ria Lima e Silva com André da Rocha, e estava cheia de bares e movimentada. E num dos bares vi GD e senti um pouco de saudades, mas não o cumprimentei.
Terraços e violência / li

Eu e minha filha ainda bebê estávamos passando uns dias em Porto Alegre, hospedadas num hotel no centro, e meu quarto ficava na cúpula da Casa de Cultura Mario Quintana. Era um quarto antigo, meio velho, espaçoso e com grandes janelas de vidro. À noite, FB veio me visitar e caminhamos pela cidade.
De repente todos falavam-se uma onda de ataques violentos na cidade, que todos os grupos de WhatsApp estavam anunciando e amezcando. Nós não víamos nada e tudo parecia bem.
De repente ví que no restaurante ao lado do meu quarto começou a ter ataques violentos. Eu e FB começamos a fechar as grandes janelas, mas elas eram velhas e não fechavam-se, então resolvemos descer do quarto. Na rua vimos uma casa com festa e fomos abusá-los que seriam atacados. Logo chegou um carro da polícia e juntos deles fomos ajudá-los a pegar os rebeldes. De repente me lembrei que havia esquecido minha filha no quarto de hotel e voltei apavorada para encontrá-la. Nesse tempo subimos em árvores e me armei com uma garrafa de vidro para me proteger e tentar acertar algum malfeitor.
Estava num terraço arborizado e SO chegou e me apresentou uns vizinhos de terraços, donos de cafés, um era português m.
Viva ou morta / li

Era um entardecer ou amanhecer de um dia nublado na praia de Capão da Canoa. O céu era cinza e rosado e estávamos na areia. De repente o mar recuou muito e logo ele voltou, com muita força, invadindo a orla. Minha irmã CSB, que era criança, desapareceu por uma onda grande, a vi no topo da onda gigante e depois desapareceu. Eu consegui sair da zona de perigo, muitos fugiam. De repente eu não sabia mais se estavaviva ou morta. Sensação de vazio e tristeza pelo desaparecimento da minha irmã.